Sem Título-2

 

Prover o Estado de recursos sempre foi uma atividade central e necessária. Ao longo dos tempos, as formas de coleta e destino dos recursos foram se alterando, mas recolher tributos continua sendo uma atividade essencial para a organização e funcionamento do estado democrático de direito.

No Brasil Colônia existia uma forte estrutura fazendária, montada para garantir o controle sobre atividades mercantis e a transferência de renda para a coroa, por meio dos tributos. A pessoa responsável por essa função era o provedor.

Já no Brasil republicano e democrático, há um corpo profissional que atua nas esferas federal, estadual e municipal responsável por prover o Estado de recursos. As atividades existentes para isto são essenciais e estão subordinadas às leis que estabelecem limites e dão garantias aos “provedores” de hoje: os auditores fiscais.

Por outro lado, as atividades ligadas às artes, letras e à cultura em geral, tão necessárias para uma vida saudável, sempre necessitaram de apoio financeiro. O mercado sozinho não provê recursos suficientes pra sua subsistência. Aqueles que se responsabilizam por este tipo de apoio são conhecidos como mecenas.

A AFFEMG abre agora a possibilidade de um novo protagonismo cidadão para os auditores fiscais: prover recursos para as Artes. Assim nasce o Programa PROVEDORES DA ARTE, que visa aproximar a Associação e seus associados com o mundo das artes e da cultura.

Advertisements